Descobri que tenho HIV, e agora?

Descobri que tenho HIV, e agora?

Antes de qualquer coisa. Calma. Vai ficar tudo bem.

Eu sei que pode parecer clichê, já passei por isso eu mesmo. Mas hoje o HIV não é mais uma sentença de morte, se tem uma vida relativamente tranquila se todos os cuidados forem tomados.

Você tem certeza que o teste deu positivo? Se sim, você deve fazer um segundo teste pra confirmar. Na maioria dos laboratórios este procedimento é padrão, coordene com eles os detalhes. De qualquer forma, a maioria dos testes apresenta além do resultado, algumas proteínas que são reagentes ao HIV.

Seu teste confirmado, não há motivo para pânico. Hoje em dia quem tem HIV tem uma qualidade de vida muito similar a de quem não tem.

Entenda a diferença entre HIV e AIDS

janela imunológica ilustração

Ser portador do vírus do HIV não é a mesma coisa que ter AIDS. Enquanto AIDS é o estado avançado da infeção pelo HIV, isso só acontece quando seu sistema imunológico está debilitado pelo vírus.

AIDS em inglês Acquired Immune Deficiency Syndrome é um espectro de doenças causadas pelo vírus do HIV. É basicamente um apelido para as infeções mais perigosas causadas pelo vírus do HIV. Doenças como candidíase, câncer cervical, Cytomegalovirus, Tuberculose, Linfoma, Pneumonia, toxoplasmose, entre outras.

A maioria das detecções do vírus do HIV não são feitas nesse estágio, o que significa que você pode se tratar e ter uma vida saudável pela frente.

Procure um infectologista

O primeiro passo é procurar um infectologista. Esse é o médico que cuida de pessoas que tem HIV e doenças como hepatite. Ele será o médico que vai o acompanhar durante toda sua jornada, ele vai começar pedindo exames de CD4, carga viral e pedir um checkup geral da sua saúde.

Caso você não tenha acesso fácil a um infectologista, procure um posto de saúde, que eles poderão te aconselhar quanto a melhor maneira de começar o tratamento.

Se puder te dar um conselho, aproveite e faça um checkup com outros médicos, dentistas e afins, é um ótimo momento pra cuidar da sua saúde.

Comece seu tratamento com antirretrovirais

O próximo passo é começar o tratamento com os antirretrovirais. Hoje os coquetéis de HIV variam bastante e é possível tomar apenas uma pílula por dia, como também uma combinação de várias. O começo do tratamento costuma ser bem fácil (exceto quando alguns antirretrovirais te deixam chapado).

No Brasil quem é infectado tem todos os medicamentos pagos gratuitamente pelo governo. Você só precisa de uma receita especial cedida pelo seu médico e realizar um cadastro no CRT ou posto de saúde.

Os antirretrovirais precisam ser tomados religiosamente todos os dias no mesmo horário, caso contrário sua eficácia pode cair e acontecer uma mutação no vírus, ficando resistente, não ao remédio, mas a categoria inteira de medicamentos. Esqueceu de tomar? Mais chances ainda de mutação. Pra o tratamento ser efetivo, uma aderência de 90% é necessária, quer dizer, se em 10 dias você esqueceu de tomar uma vez, talvez tudo bem. Mas talvez seja o suficiente pro vírus criar uma mutação, então tome seus remédios todos os dias religiosamente.

Faça exercícios físicos

Ok, essa regra vale também para quem não tem HIV, mas fazer exercícios físicos é algo que é recomendado fortemente para quem tem HIV.

Dúvidas que todo soropositivo tem relacionadas a exercício físico são sanadas na Cartilha tudo em cima. É uma cartilha que foi criada por uma doutoranda e uma professora de educação física da UERJ que decidiram se especializar no assunto. A cartilha cobre temas básicos como  “Existe diferença entre atividade física e exercício físico? Algum destes é mais ou menos indicado para o portador do vírus HIV?” até questões mais avançadas como “Reduzir a lipodistrofia com o exercício físico regular é possível?”.

Saque seu FGTS

Acredite se quiser, mas ter HIV tem uma vantagem. Você pode fazer o saque do seu FGTS. Não somente uma única aplicação, como também poderá retirar mensalmente o saldo do seu fundo de garantia. Você não precisa ter evoluído para o estágio da AIDS, basta comparecer a Caixa Econômica Federal com toda a documentação.

Veja como fazer o saque do FGTS caso você tenha HIV >>.

Você não é um risco para outras pessoas como pensa

Uma das coisas que mais passou pela minha cabeça quando fui diagnosticado, era de que eu virei uma bomba-relógio, uma máquina de infecção e que provavelmente nunca mais poderia fazer sexo sem medo.

Mas a verdade é completamente outra, caso você esteja indetectável, ou seja, com a carga viral abaixo dos limites de detecção – algo que acontece com o tratamento em dia – a probabilidade de passar HIV para um parceiro é praticamente nula.

Isso mesmo, se você estiver se tratando, tomando seus antirretrovirais em dia e com carga viral indetectável, é praticamente impossível transmitir HIV para outro parceiro, mesmo sem proteção.


Hoje em dia ter HIV não é nada de mais. A probabilidade de você morrer num acidente de carro é 20 vezes maior do que morrer de HIV. Com os avanços da medicina e os tratamentos atuais, é possível viver uma vida longa mesmo possuindo o vírus causador da AIDS.

 

 

Deixe sua opinião