Meu nome é Trabalho, sobrenome Solidão

Post anterior: O amigo

Ter tendências depressivas é um saco. Coloca ansiedade crônica no meio e temos a receita perfeita do problema. Sempre que alguma coisa está fora do controle é motivo pro mundo acabar. Tempestade em copo d’água é eufemismo pra minha vida. Mencionei que tenho déficit de atenção também? Isso quer dizer que enquanto na minha cabeça o mundo parece estar caindo, as pessoas sequer percebem e ainda acham que tudo está perfeito. Agora tenta se imaginar nessa situação onde o mundo te vê de uma forma, você de outra e no meio dos dois, sua cabeça tenta entender a real realidade [sic].

A recomendação médica era não fazer sexo enquanto minha carga viral não ficasse indetectável, o que no momento que escrevo isso não faço ideia de onde esteja (na melhor das possibilidades em 3 meses após o tratamento isso acontecerá). Mas fazer sexo na minha situação, mesmo com camisinha e todos os cuidados possíveis, se torna um problema de saúde pública. A recomendação também é contar a pessoa do meu status antes de engajar em qualquer relação sexual, como você pode imaginar dado o parágrafo anterior, não é algo fácil e desisti de ter qualquer relação por completo.

Eu também reduzi drasticamente a lista de amigos, já que a maioria é de épocas ou comportamentos insalubres (bebida e drogas). Praticamente sem contato social o que me restava? Focar em algo que faço bem.
email email 02

O legal de ter transtorno bipolar é que existem os altos também. Desde que fui diagnosticado minha energia aos poucos foi focando apenas no trabalho. Pra piorar (ou não), fui incentivado por alguns dos meus médicos. Quando menos via já tinha deixado de fazer coisas que eram essenciais, como exercício físico ou dormir em troca de mais horas pra trabalhar. Antes saindo em horários normais, passei a deixar o escritório sempre próximo às 22h. Finais de semana estava sempre escrevendo algum relatório ou preparando algo pra semana.

O pior de tudo – como já notado no primeiro parágrafo – é que não percebia. Deixar de ir malhar na minha cabeça era “só esse dia, eu não to muito afim“, mas quando notei já tinham-se ido quase três meses, até esqueci que não postava aqui fazia quase um mês. O lado bom também não era notado, eu fiz o inimaginável trabalhando, como depois vi em avaliações que somos submetidos a cada mês e achava que não fiz nada.

Dos poucos que restavam, comecei a recusar convites de amigos pra sair, sempre tinha uma desculpa na ponta da língua. Quando sai uma vez ou outra não tive uma experiência muito legal, até mesmo ir a shows – algo que sempre amei – deixou de me dar tesão.transportation transportation 03

Já festas corporativas, coquetéis e happy hours eram o ponto alto da minha vida social. Não somente esperava pra eles acontecerem como me divertia extremamente.

Tento evitar ao máximo voltar pra casa, passo horas jantando fora, sempre arranjo uma desculpa, quando chego fico instantaneamente cabisbaixo, como se algo estivesse errado.

Fui viajar diversas vezes por causa do trabalho, o que me tirou um pouco algo importante pra cair a ficha: os finais de semana. Sempre estava em algum lugar ou viajando para algum lugar e bem longe da minha rotina e realidade.

Agora estou aqui em casa digitando isso enquanto percebo o quão agoniante é estar sozinho, o quão miserável estou, o quão errado está tudo isso e nem sei por onde começar a arrumar. Mas acho que vou lá responder uns e-mails pra ver se esqueço…

Próximo post: Os bonitinhos da balada

5 Comentários comentários para Meu nome é Trabalho, sobrenome Solidão

  1. Lendo seu comentário, temos algo em comum Bipolaridade, focar no trabalho, mas, só agora descobri HIV. Mas, o lado ruim da Bipolaridade é que quando controla-se tiram lhe a vontade de viver, seguido de diagnóstico de HIV, morre-se. É assim que me sinto.Me sentia mais feliz estando no auge da Bipolaridade do que do HIV, ambos controlados.

    • Horrível né? Essa relação de amor e ódio com a doença, que no fim é você. To tentando “aprender” a surfar na onda dos altos e baixos sempre que possível

  2. Você fica cabisbaixo quando chega em casa pois é um dos únicos momentos que você conta com a presença de apenas uma única pessoa, a mais importante de todas, você mesmo. Só que tu faz dessa volta pra casa, algo ruim, pesado… e não é!

    Eu já tive esta experiência: quando acordava, eu não queria de jeito nenhum levantar da minha cama e ficava remoendo a minha tristeza, minha solidão e minhas saudades de casa. Ia dormir o mais cedo possível para “sofrer menos”. É fácil? Não, não é mesmo! Mas quanto mais focamos no lado ruim das coisas, pior é e somos nós que fazemos isso conosco. Sempre temos a escolha de olhar por um lado ou pelo outro, de buscarmos a felicidade ou vivermos na tristeza e no lado negativo.
    Sei que falar (ou digitar) é muito fácil e que precisa de muita força pra mudar mas tente encontrá-la em algum lugar dentro de ti, ela existe =)

    Eu estou em uma fase da minha vida em que reconheço pouquíssimos amigos. E os que reconheço como sendo verdadeiros, estes estão bem longe.
    Percebi com o tempo que aqueles que se diziam amigos, na verdade só estavam lá porque havia algum tipo de interesse, eu os oferecia algo que eles precisavam (e demorei a perceber por conta do meu lado “bonzinho e amoroso” com todos).
    A verdade que o Rafael de 1 ano atrás é EXTREMAMENTE diferente do Rafael de hoje. E é preciso muita coragem para mudar, mas eu percebo que isso só tem me feito bem.

    O que quero dizer é que estar sozinho não é necessariamente ruim. É ótimo ter alguém pra papear, pra fazer gordices junto, pra assistir um filme… mas é preciso lembrar que, no final, quem tem que nos fazer felizes não são os outros, mas nós mesmos !

    Uma frase que sempre uso: “Nós temos um potinho da felicidade e ele precisa estar completamente cheio apenas por nós mesmos. Os amigos, o namorado… eles devem transbordar nosso potinho da felicidade, não enchê-lo”.

    Mude o foco dos seus pensamentos e sentimentos (focar no trabalho é válido nas não o use como válvula de escape, enfrente seus bichos papões !!). Reconheça que apesar de tudo que tem acontecido contigo e o que você tem que enfrentar, há também os lados positivos. Você se alimenta melhor, você pratica exercícios com mais frequência, você parou de usar drogas e beber, seu humor está mais estável…. as três letrinhas afinal não são tão assustadoras assim !

    E olha, pode não ser a mesma coisa (ainda não inventaram braços que entram na tela do computador e apertam que nem urso =P), mas tem um monte de gente torcendo por você e que quer o seu bem =)

    Deixa a gente segurar na sua mão e enfrentar isso juntos !

    Se cuide <3

  3. EU TENHO UM DILEMA APOS SABER QUE TINHA O VIRUS, MORRER OU MORRER,MAS DEI AVOLTA POR CIMA PRIMEIRO CONTEI PRA DOIS IRMÃOS QUE SÃO AMIGOS DE CONFIANÇA ELES ME DERAM A MAIOR FORÇA ,DEPOIS MINHA FAMILIA,ENTENDEU BEM A SITUAÇÃO,TENHO O MEU TRABALHO MINHA CASA MORO SOZINHO E ESTOU SUPER BEM DE ESPIRITO E DE VIDA,O RESTO A GENTE EPASSA POR CIMA,

Escreva seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.