Quando contar que tem HIV em um relacionamento

Desde que fui infectado, salvo raras ocasiões, só fiz sexo com quem era muito amigo ou com parceiros antigos. Eu discuti bastante com todos os meus médicos (infectologista, psiquiatra e psicólogo) sobre qual seria a melhor decisão, sempre esperando que eles fossem responder algo, delegando a responsabilidade de tal decisão, mas eles só me guiaram (o que significa me deixar com mais dúvidas ainda em alguns casos).  No começo tinha tomado como política sempre falar para o outro parceiro antes do sexo sobre minha situação. Algo que meu infectologista logo deixou claro ser uma péssima ideia, o mundo não tá preparado para isso.

Depois veio a carga viral indetectável e com ela a probabilidade de eu infectar uma pessoa é menor do que uma pessoa que não sabe a sorologia. Meus médicos me convenceram, tanto por causa disso quanto pelo meu transtorno bipolar que seria importante evitar esse tipo de exposição desnecessária, então decidi que só contaria depois que tivesse um pouco de intimidade com a pessoa.

Mas o que é intimidade?

Se você tem HIV e pretende começar um relacionamento, pesquisas indicam que quanto antes assumir a soropositividade para o parceiro(a), melhor para a duração a longo prazo do relacionamento. Isso contraria a regra básica do senso comum de evitar dar notícias negativas no começo de um relacionamento, o principal motivo é que isso evita com que a outra pessoa procure culpar o parceiro por falar tardiamente da sorologia.

Um grande amigo meu que também tem HIV acabou de começar a namorar, falou sobre a sorologia dele só depois de começar a de fato namorar, praticamente no dia seguinte. O namorado dele reagiu super bem e estão juntos até hoje.

Mas independente do que a ciência ou meus amigos dizerem que funciona melhor ou não, acredito que se quero ficar com alguém, devo falar o quanto antes possível sobre meu status, por mais que seja soropositivo indetectável e isso signifique que não sou um risco a pessoa, acho que é uma questão de desenvolver intimidade com a pessoa. Também acho que a maneira como ela for reagir vai dizer muito sobre um possível relacionamento ir a frente ou não.

Hora de sair do armário

Estou ficando com um cara há mais ou menos dois meses, ele é fofo, meio nerdzinho igual eu, gostamos do mesmo tipo de música, programas e o mais importante, estamos gostando muito um do outro.

Não contar da minha sorologia para ele estava virando um câncer dentro de mim, cada dia que passava aquilo só crescia na minha cabeça. E se ele não aceitar? Será que estou demorando demais pra contar? Se ele fingir que aceitou e perder o interesse logo depois? E se ele não souber de nada sobre HIV? Será que ele entenderá o que é carga viral?

Tantas perguntas sem respostas que viraram uma bola de neve interna, eu mal conseguia me concentrar no trabalho mais, esse assunto dominava 90% dos meus pensamentos. Até que chegou um ponto que decidi que deveria contar.

Convidei ele pra vir a minha casa, onde me sentiria mais confortável com a situação, também pensei que seria uma boa escolha, afinal caso ele quisesse ir embora seria mais fácil ir do que me expulsar (caso fosse na casa dele). Também evitei intencionalmente restaurantes e lugares públicos pela exposição e interrupções, não queria um garçom chegando com a bebida bem na hora que só precisava de uma reação dele. Por fim, tentei criar um ambiente confortável para o momento, ele no meu colo, com o coração palpitando a mil por hora, virei e falei que tinha que falar algo sério com ele.

-Preciso falar uma coisa com você
Ele: fala
Eu seguido de uma pausa longa: é uma coisa séria
Ele endireita e faz sinal de que está ouvindo comprometido.
Eu: não sei o quanto você sabe disso ou o quanto já conhece, mas eu queria te contar que sou soropositivo.
Ele: está tudo bem.
Eu a essa altura já estava com o coração na boca e sem saber como reagir, quando ele me deu um abraço e ficamos quietos por alguns segundos.

Continuei perguntando sobre o que ele sabia e acabei descobrindo que o conhecimento que ele tinha sobre o assunto era vasto, tinha dado sorte. Ele já teve outros relacionamentos onde o outro parceiro era soropositivo e ele, como bom nerd, foi pesquisar tudo a respeito.

Isso foi há quatro meses atrás, hoje estamos num relacionamento saudável e muito felizes. Somos um casal sorodiscordante. Não tenho palavras pra descrever quanta sorte tive de encontrar alguém que me entendesse do jeito que sou e me respeitasse mesmo assim. Foi um grande alívio por tudo que já passei.

Fonte: When “In Your Face” Is Not Out of Place: The Effect of Timing of Disclosure of a Same-Sex Dating Partner under Conditions of Contact

3 Comentários comentários para Quando contar que tem HIV em um relacionamento

  1. Sim, esse é um momento muito difícil. Acredito que o melhor seja contar o quanto antes. Não demore muito, pois a cada dia tudo ficará mais complicado. Se o relacionamento está ficando sério, não espere mais para conversar sobre o assunto. Boa sorte a todos.

  2. Eu ainda tenho muito medo. Descobri minha sorologia há 9 meses, estou indetectável. Descobri através do meu ex, que transmitiu sem saber pra mim. Descobrimos juntos e eu achei que ficaríamos unidos por isso… Mas o relacionamento não vingou. Hoje, seis meses após o término, procuro um novo relacionamento… Mas ao chegar na hora do sexo, não consigo ir além. Por muitas vezes eu deixei de lado e fui esfriando, até o outro deixar de gostar de mim por algum outro motivo. Isso está me martelando até hoje.

  3. Oi, se possível me responder no email sou positivo a muito pouco tempo 6 meses já tomou remédio porém fiquei cm um cara esses dias rolou a infeliz “SÓ A CABECINHA” não sei o que fazer hoje ele me perguntou sobre exames e dst.

Deixe sua opinião